Ardes - Capítulo 046


Preocupada com os dias vindouros, Renata antecipou sua visita semestral ao ginecologista, isso já sabendo que, em breve, Rainen estaria liberado do período de internato. Assim como da outra vez, tudo fluiu bem, exceto pela ansiedade observada durante o exame.
— Vários fatores podem desencadear isso: a rotina diária; as relações pessoais; a alimentação… — Sandro a informava.
— É…
Renata não se abriu à resposta, mas o médico havia percebido a aliança no dedo da garota e entrou de forma branda no assunto.
— Bom, os sentimentos também têm influência sobre essas sensações. Em maior ou menor proporção.
Mesmo tendo dúvidas, ela optou por permanecer calada, e o médico continuou:
— Aparentemente está tudo bem. O exame de sangue leva algum tempo para ficar pronto, então peço para que volte daqui sete dias.
— Tudo bem — disse, se levantando da maca.
— Continue se alimentando bem e bebendo bastante água. Pratique atividade física e tenha momentos de descontração e lazer. E o mais importante: esteja próximo daqueles que lhe fazem bem.

Ela lembrou-se de Rainen e sorriu.
O médico assinou o atestado de comparecimento e o entregou a ela, que saiu dali direto para uma lan-house. As dúvidas que tinha só seriam sanadas naquele lugar. Por isso optou por um estabelecimento distante o suficiente de sua casa. E assim calculava:
“Minha pesquisa ficará registrada no histórico, isso é certo.”
Ali chegando, pediu para ficar na última baia e iniciou a pesquisa. Resolveu que, primeiro, se atentaria às opiniões médicas sobre o assunto, ou seja, às perguntas que gostaria de ter feito a Sandro, mas não teve coragem. A pesquisa mostrou que não havia um consenso da comunidade médica sobre a prática. Diante do debate, Renata passou para questões relacionadas às dicas em si: se haveria dor, qual a melhor posição, como se proteger, os contras desse tipo de relação e o principal… o prazer. Foram vários os sites visitados e as informações eram bem parecidas.
Antes do próximo passo, olhou para os lados, se certificando do seu isolamento, então procurou por vídeos curtos, relacionados à prática. Foi um instante delicado. Nas filmagens, casais praticavam com facilidade e lascívia aquilo que Renata se esforçava a aprender. Diante das imagens, ela se envolveu, a respiração ficou ofega, enquanto sentia o coração bater forte, como se fizesse algo de errado, promíscuo. Observou a subserviência da mulher em relação ao homem e pensou em Rainen e no que desejava: as ordens, os puxões de cabelo, os comandos. O fogo lhe ardeu e uma gota de suor correu pela base de sua coluna. Ela mordeu os lábios e quis se tocar intimamente, como fizera de outras vezes, mas não poderia naquele ambiente. O vídeo chegava aos segundos finais e a intensidade das cenas excitavam-na e faziam-na tremer. Foi com dificuldade que se levantou.
“É suficiente.”
Caminhava em direção ao atendente, quando percebeu que esquecera a bolsa na mesa. Quando retornou, olhou para o assento da cadeira e viu uma mancha úmida e oval. Teve um pensamento quando pegou a bolsa e foi para o banheiro:
“Meu Deus!”
Fez uma rápida higiene e, pagando pelo tempo utilizado, foi até a parada de transportes, onde pegou um ônibus para casa. A sua mente focava em um ponto:
“Rainen…”

Nenhum comentário:

Boin - Capítulo 036

A mãe e o pai já dormiam fazia algum tempo. O irmão ainda estava trabalhando. Ele chegava por volta de 2h da madrugada. Por isso não havia t...