Ardes - Capítulo 010



— Sua irmã não gosta de mim!
— Não tem sido fácil para ela, nem para nossa família — explicou.
— Mesmo em tempos difíceis, é justificável que ela tenha tais atitudes?
— Rainen, é claro que não! Mas considere que tínhamos uma vida diferente dessa. — Ela fez uma pausa, recordando-se, e sorriu. — Da nossa família, Bruna foi quem mais sentiu.
— Você é sempre tão bondosa assim? — o rapaz a olhava com profunda admiração.
— Acho que são os seus olhos… — Renata sentiu certo acanhamento.
— Só podem ser, pois neles eu só vejo vo…
Ele foi interrompido com um safanão no braço e a voz misturada com uma risada:
— Aê, Rainen! Mais tarde levaremos o carro lá.
Era Lendoval, um colega de turma.
— Ok! Aguardo!
— O que vocês têm aprontado por aí? — Renata perguntou, sorrindo.
Ele ficou tímido, mas sentiu que poderia lhe contar.
— Estou trabalhando em uma oficina mecânica.
Ela sorriu e, transbordando de felicidade, o abraçou:
— Parabéns! Parabéns!
Por alguns instantes, sentiram o calor um do outro, as fragrâncias, e a demonstração de carinho demorou mais que o esperado. Quando se soltaram, mesmo não querendo fazê-lo, Rainen foi o primeiro a falar:
— Vou arrumar uma novidade todos os dias só para ganhar um abraço desses.
Ela riu, respondendo:
— É certeza que ganha…
— Chega!
Nervosa, Bruna apareceu e ficou entre os dois, mas sequer olhou para o rapaz.
— O que você está dizendo?
— Exatamente o que você ouviu. Vamos embora! — ela falou ainda mais alto. — A van chegou!
— Preciso me despe…
— Esquece isso! — E saiu arrastando Renata pelo braço. — Quando chegarmos em casa teremos uma conversa!
De longe, Renata acenou para Rainen, que permanecia imóvel, sem entender direito o que aconteceu.
Durante a viagem, as duas permaneceram caladas e, ao chegarem em casa, encontraram um bilhete na mesa da sala:

Fomos ao banco, voltaremos por volta das 16h.

— Não podia ser melhor! — esbravejou Bruna, jogando a mochila no sofá.
— O que você tem?
— O que eu tenho? O que eu tenho?! Você fica de conversinha com um Zé ninguém e vem me perguntar o que eu tenho?
— Não fale assim do Rainen.
— Meu Deus! Já até decorou o nome dele?
— E o que tem isso? — Renata estava na defensiva.
— Não vou permitir que você enterre o seu futuro se relacionando com um vagabundo daquele.
— Você não sabe sobre o que está falando. Ele trabalha!
Cada vez que Renata o defendia, era como se jogasse pimenta nos olhos de Bruna, que vociferava:
— E ele é o quê? Presidente de uma empresa? Dono de algum empreendimento?
Pouco intimidada, Renata respondeu:
— Mecânico! Ele é mecânico!
— Você precisa de tratamento. Não pode estar bem da cabeça. Você arrumou um comedor de graxa?!
— Quem precisa de ajuda é você, Bruna. Desde quando se controla o que há no coração?
— Que sentimentalismo é esse, Renata? Aonde isso vai te levar?
— Espero que até algo que aumente a minha felicidade.
Bruna riu para depois falar:
— Só me diga como. Morando nos fundos de uma garagem? Com a mesa do café da manhã coberta de ferramentas? Com o cheiro de gasolina entranhado em suas roupas?
— É melhor você se calar. O que farei ou não, cabe a mim decidir.
— Ainda não entendeu? Nós somos o futuro de nossa família. O que você vai fazer, vivendo com aquele coitado dentro de um muquifo[1]?
Cansada da discussão, Renata foi para a cozinha almoçar, enquanto Bruna pensava:
“Eu não permitirei que ele acabe com sua vida, minha irmã.”


[1] Casa pequena.

Nenhum comentário:

Boin - Capítulo 036

A mãe e o pai já dormiam fazia algum tempo. O irmão ainda estava trabalhando. Ele chegava por volta de 2h da madrugada. Por isso não havia t...